My Weblog: istanbul elektrikci kutahya web tasarim umraniye elektrikci uskudarda elektrikci umraniyede elektrikci kentsel donusum Acil elektrikci kadikoy elektrikci kagithane elektrikci beylikduzu elektrikci seyrantepe elektrikci alibeykoy elektrikci uskudar elektrikci umraniye elektrikci istanbul su tesisat tamiri sisli kombi tamiri sisli cilingirci

O fim dos anos 80: Big Bang

 

Chegou a hora de lembrar de Big Bang, o disco em que os Paralamas começam a conquistar uma nova geração, o que só parece fácil agora que já se passaram tantos anos. A fase dos vinte anos já estava terminando pra Herbert, Bi e Barone, assim como para os fãs deles. Se foi coincidência ou uma daquelas mensagens subliminares que tanto alimentam teorias conspiratórias, ainda é cedo pra saber, mas preste atenção no nome das primeiras músicas do disco: Perplexo, Dos Restos e Pólvora. Vamos lá, de novo: Perplexo, Dos Restos e Pólvora.

Caramba! Era hora de discutir a relação, de pensar no que se quer da vida, de analisar o rumo do país (e olha que o Brasil era um país bem doido em 89). Era hora de reinventar a pólvora! E o disco é isso mesmo: uma reinvenção da identidade paralâmica, uma banda que tinha crescido, que tinha ganhado responsabilidade e que ia ter que brigar ainda mais pelos sonhos para sobreviver. Que bom que deu certo, né?

Dia de D

D foi o primeiro disco ao vivo dos Paralamas, o primeiro saldo pra balanço da banda. Antes de viajar pro festival de Montreux, onde seria gravado, os três pararam de fazer show e foram pra Mendes, no estado do Rio, para o sítio do Bi. Ensaiaram, encontraram os amigos, descansaram de ônibus, aeroportos e camarins. E comemoraram os três discos que os botaram entre os grandes da música brasileira (Cinema Mudo + O Passo do Lui + Selvagem?). A Suíça tá de prova, assim como o disco e as fotos daquela época, que são essas aqui.

 

Morre Claude Nobs


Morreu ontem um amigo querido dos Paralamas, Claude Nobs, aos 76 anos. Ele foi fundador e diretor do Festival de Montreux, um dos mais importantes do mundo não só na cena do jazz, mas principalmente por ter levado pela primeira vez à Europa uma lista de artistas importantes de todo o mundo, aí incluídos Estados Unidos, África, Ásia e Brasil. Claudo sofreu um acidente de esqui na véspera do Natal, entrou em coma, e não resistiu.

Ele era o jovem Secretário de turismo de Montreux quando visitou a gravadora Atlantic, em Nova Iorque, e de lá saiu com uma ideia. Em junho de 67, os jazzistas Keith Jarrett e Jack DeJohnette eram os principais atrações da primeira edição do que se tornou um dos maiores festivais do planeta. Quantos discos sensacionais não levam Montreux como sobrenome: Ray Charles – Ao Vivo em Montreux 1997, Miles & Quincy Live at Montreux, Jamiroquai – Live at Montreux 2003, Baby Consuelo – Ao Vivo em Montreux, ou Elis Regina – Montreux jazz Festival. Os Paralamas também entram na lista dos “Ao Vivo em Montreux”, com “D”. Foi o primeiro show da banda que virou disco, em um momento em que os Paralamas começavam a virar mais que um trio e assumiam uma cara mais tropical para o rock brasileiro. O Go Back, dos Titãs, também foi gravado em Montreux. Aliás, desde o fim dos anos 70, o Festival tem uma noite dedicada apenas a música brasileira.

O clássico Smoke on the Water, do Deep Purple, cita um certo “Funky Claude”. Adivinha quem era? Em um incêndio durante show de Frank Zappa, no Cassino de Montreux, a primeira providência de Claude foi descer pra plateia e ajudar o público, cheio de moleques, a sair do prédio com segurança. Dois anos depois, Claude começou a trabalhar também em gravadoras, o que só aumentou o peso do Festival de Montreux. Fundador de festival, homem de gravadora, salvador de vidas, excelente anfitrião e ainda gaitista: de vez em quando era ele o convidado no meio do show de um super artista qualquer da música, no palco suíço. Ou seja, Claude era uma figura.

O site dos Paralamas pega emprestadas as palavras do site do Festival de Montreux para homenagear esse amigo que se vai: “a surpresa nos faz lembrar mais uma vez que na vida, como na música, cada grande apresentação sempre pode ser a última, e ainda assim o show tem que continuar”.

“Victoria” saindo do forno

A data de lançamento é 21 de novembro pelo selo Oi Música. Como todos já sabem, Herbert canta, toca violão e guitarra. Chico Neves é o produtor. Mas olhem só: Herbert também vai tocar percussão. E Chico, minimoog, baixo, violão, teclados, xilofone, sitar e efeitos. Faltam duas semanas, dá pra agentar a ansiedade, não dá?

Para quem quer ouvir um pouquinho, o caminho é clicar aqui.

Ouça Victoria (pelo menos uma provinha…)

crédito: Maurício Valladares

Já dá pra ouvir duas músicas do novo disco solo de Herbert Vianna. O caminho é esse aqui. As músicas são “Só Pra Te Mostrar” e “Pense Bem”, e os comentários estão abertos a opiniões. Ainda é só uma provinha…
Na foto, o Herbert dá aquela força à festa clássica do parceiro fotógrafo Maurício Valladares. Continue lendo…

O maior disco brasileiro de todos os tempos

 

Os Paralamas não são uma banda dada à competição, mas como a galera tem um carinho tremendo e vem votando e nos presenteando com prêmios ao longo de três décadas, vale o registro. A Rádio Eldorado, junto com o Grupo Estado, está promovendo uma votação para saber qual é o maior disco da história da música brasileira segundo o público. E “Selvagem?” apareceu entre os 30 finalistas, aptos a serem votados! Só tem casca grossa disputando…

Quem quiser participar, basta clicar aqui. A votação vai até 04 de setembro!