My Weblog: istanbul elektrikci kutahya web tasarim umraniye elektrikci uskudarda elektrikci umraniyede elektrikci kentsel donusum Acil elektrikci kadikoy elektrikci kagithane elektrikci beylikduzu elektrikci seyrantepe elektrikci alibeykoy elektrikci uskudar elektrikci umraniye elektrikci istanbul su tesisat tamiri sisli kombi tamiri sisli cilingirci cekmekoy elektrikci uskudar kornis montaj umraniye kornis montaj atasehir elektrikci beykoz elektrikci

Dia de D

D foi o primeiro disco ao vivo dos Paralamas, o primeiro saldo pra balanço da banda. Antes de viajar pro festival de Montreux, onde seria gravado, os três pararam de fazer show e foram pra Mendes, no estado do Rio, para o sítio do Bi. Ensaiaram, encontraram os amigos, descansaram de ônibus, aeroportos e camarins. E comemoraram os três discos que os botaram entre os grandes da música brasileira (Cinema Mudo + O Passo do Lui + Selvagem?). A Suíça tá de prova, assim como o disco e as fotos daquela época, que são essas aqui.

 

Morre Claude Nobs


Morreu ontem um amigo querido dos Paralamas, Claude Nobs, aos 76 anos. Ele foi fundador e diretor do Festival de Montreux, um dos mais importantes do mundo não só na cena do jazz, mas principalmente por ter levado pela primeira vez à Europa uma lista de artistas importantes de todo o mundo, aí incluídos Estados Unidos, África, Ásia e Brasil. Claudo sofreu um acidente de esqui na véspera do Natal, entrou em coma, e não resistiu.

Ele era o jovem Secretário de turismo de Montreux quando visitou a gravadora Atlantic, em Nova Iorque, e de lá saiu com uma ideia. Em junho de 67, os jazzistas Keith Jarrett e Jack DeJohnette eram os principais atrações da primeira edição do que se tornou um dos maiores festivais do planeta. Quantos discos sensacionais não levam Montreux como sobrenome: Ray Charles – Ao Vivo em Montreux 1997, Miles & Quincy Live at Montreux, Jamiroquai – Live at Montreux 2003, Baby Consuelo – Ao Vivo em Montreux, ou Elis Regina – Montreux jazz Festival. Os Paralamas também entram na lista dos “Ao Vivo em Montreux”, com “D”. Foi o primeiro show da banda que virou disco, em um momento em que os Paralamas começavam a virar mais que um trio e assumiam uma cara mais tropical para o rock brasileiro. O Go Back, dos Titãs, também foi gravado em Montreux. Aliás, desde o fim dos anos 70, o Festival tem uma noite dedicada apenas a música brasileira.

O clássico Smoke on the Water, do Deep Purple, cita um certo “Funky Claude”. Adivinha quem era? Em um incêndio durante show de Frank Zappa, no Cassino de Montreux, a primeira providência de Claude foi descer pra plateia e ajudar o público, cheio de moleques, a sair do prédio com segurança. Dois anos depois, Claude começou a trabalhar também em gravadoras, o que só aumentou o peso do Festival de Montreux. Fundador de festival, homem de gravadora, salvador de vidas, excelente anfitrião e ainda gaitista: de vez em quando era ele o convidado no meio do show de um super artista qualquer da música, no palco suíço. Ou seja, Claude era uma figura.

O site dos Paralamas pega emprestadas as palavras do site do Festival de Montreux para homenagear esse amigo que se vai: “a surpresa nos faz lembrar mais uma vez que na vida, como na música, cada grande apresentação sempre pode ser a última, e ainda assim o show tem que continuar”.

Bi em pílulas (2)

Agora, o assunto de Bi é João Fera, tecladista que há mais de vinte e seis anos acompanha os Paralamas e enche de carisma os palcos e arranjos da banda. Divirtam-se com mais essa mini-podcast do Bi! Continue lendo…