My Weblog: kutahya web tasarim umraniye elektrikci uskudar elektrikci umraniye elektrikci istanbul elektrikci satis egitimi cekmekoy elektrikci uskudar kornis montaj umraniye kornis montaj atasehir elektrikci beykoz elektrikci

Sinais do Sim no Nordeste

 

Os Paralamas do Sucesso chegam ao Nordeste trazendo a turnê de “Sinais do sim”. Será um final de semana inteiro começando em João Pessoa (Teatro Pedra do Reino, no dia 02), passando por Natal (Teatro Riachuelo, no dia 3) e fechando em Recife (Teatro Guararapes, no próximo domingo). Hora de lembrar um excelente momento: o recomeço dos Paralamas nos palcos, que foi exatamente nessa região!

 

Desnecessário comentar mais sobre a relação íntima entre os Paralamas e João Pessoa – até porque ela já foi comentada aqui, neste texto. No entanto, houve uma ocasião especial, sobre a qual o texto publicado em 2016 passou batido. Porque quando o caminho da banda pelos palcos recomeçou, em 2002, o ponto inicial foi escolhido pelo recuperado filho da terra: com Longo Caminho já lançado havia um mês, a pedido de Herbert Vianna, “Jampa” foi o local do primeiro show daquela turnê – ou seja, do primeiro show dos Paralamas do Sucesso aberto ao público em geral após o acidente. Foi em 6 de novembro de 2002, uma quarta-feira, na casa de shows Forrock.

Obviamente lotada (15 mil pessoas!) e cercada pela cobertura da imprensa, a apresentação teve um início que se tornaria dos mais impactantes das turnês dos Paralamas: Herbert, Bi e Barone, sozinhos, começando “O calibre”, sem firulas. E os três passaram mais algumas canções em cima do palco, até a entrada dos músicos de apoio (João Fera, José Monteiro Júnior, Bidu Cordeiro e o percussionista Eduardo Lyra). No repertório, tanto os sucessos que sempre estão lá (“Alagados”, “Meu erro”, “Caleidoscópio” e “Uma brasileira”, para citar só quatro) quanto lembranças de velhos amigos – “Manguetown”, de Chico Science, e “Que país é este”, da Legião Urbana. Ainda havia músicas que já não estão nas apresentações ao vivo há algum tempo, como “Vamo batê lata” – e outras que fizeram falta mas voltaram agora, como “Uns dias”.

Claro, Herbert era o grande destaque, o centro das atenções. Já mostrando o amor e a ligação com a Paraíba nas roupas (usou camisa vermelha e calça preta, as cores da bandeira do estado), o cantor, compositor e guitarrista da banda começou a falar com a plateia usando uma frase tão simples quanto definitiva: “Estou muito emocionado de estar aqui”. Citando repetidamente outras expressões de sua emoção aos conterrâneos (“É preciso ter força no coração”), Herbert era constantemente abordado por Bi, que perguntava as condições do colega recém-convalescente à medida que o show transcorria.

Felizmente para todos, as turbulências passaram longe daquele ambiente. A animação do pessoense Herbert carregou aquela apresentação, emocionando ainda mais aquela plateia. Para contentar ainda mais o ambiente, vez por outra aparecia uma bandeira da Paraíba no meio, coisa que nunca passava despercebida por Herbert. E aquele 6 de novembro ficou definitivamente marcado, por três motivos. Oficialmente, a turnê da volta dos Paralamas estava reaberta. Isso ocorrera da melhor forma possível, com um show energético para mostrar o tamanho da fome de bola que a pausa forçada deixara em todos ali. E como boas histórias não podem faltar numa turnê, o camarim rendeu uma cena hilária: coube ao próprio Herbert raspar o cabelo de Fred Castro, à época ainda baterista dos Raimundos, de melenas enormes – e que fizera exatamente a promessa de se desfazer delas caso o “cabeleireiro” se recuperasse daqueles dias duros em 2001.

Se a ansiedade pré-turnê fora aplacada pela apresentação em João Pessoa, o segundo show da turnê não poderia ser em lugar melhor: Recife. Dois dias depois, em 8 de novembro de 2002, o Classic Hall foi palco para aquele novo momento dos Paralamas do Sucesso. Outra vez, era um momento de forte emoção para a banda na capital pernambucana – como já havia acontecido em 18 de abril de 1997. Nesse dia, a banda fechou o primeiro dia de shows no palco principal do Abril Pro Rock, o principal festival recifense, realizado no Centro de Convenções de Pernambuco.

Com a turnê de 9 Luas já embalada, aquela apresentação de 1997 no Abril Pro Rock foi marcante pela alegria cercada de dores. A falta que Chico Science já fazia, após partir em fevereiro, era lembrada pela inclusão de “Manguetown” no repertório daquela turnê – e daquela apresentação. E além dos três e dos músicos de apoio naquela turnê (além de Fera e Monteiro Júnior, o trombonista Senô Bezerra – em seus últimos momentos com os Paralamas -, o trumpetista Demétrio Bezerra e Eduardo Lyra), havia outro nome em cima do palco a tentar expurgar um momento difícil: Dado Villa-Lobos, tocando guitarra e violão com os Paralamas para espairecer após a morte de Renato Russo, em 1996 – parceria que seria frutífera, seguindo para o Acústico.

Se em 1997 a tristeza permeara a alegria de estar num palco, em 2002 só havia alegria e celebração. Em João Pessoa, no Recife… e em Natal, onde a turnê de Longo Caminho chegou no dia 30 de maio de 2003. Desde então, as três capitais nordestinas são ponto certo nas turnês dos Paralamas. A mesma sequência foi feita em setembro de 2016, por sinal, no especial Paralamas Trio: sem músicos de apoio, Herbert, Bi e Barone estiveram no Teatro Pedra do Reino de João Pessoa (dia 16), no Teatro Riachuelo de Natal (dia 17) e no Teatro Guararapes do Recife (dia 18). Como será a partir deste dia 2 de março, na chegada da turnê de Sinais do sim ao Nordeste. Afinal, nada mais natural do que passar de novo pelo local onde se começou um dia – ou melhor, onde se recomeçou.
Ingressos:

João Pessoa – Sexta-feira, dia 02/03/2018 no Teatro Pedra do Reino

Natal – Sábado, dia 03/03/2018 no Teatro Riachuelo

Recife – Domingo, dia 04/03/2018 no Teatro Guararapes

tags