My Weblog: istanbul elektrikci kutahya web tasarim umraniye elektrikci uskudarda elektrikci umraniyede elektrikci kentsel donusum Acil elektrikci kadikoy elektrikci kagithane elektrikci beylikduzu elektrikci seyrantepe elektrikci alibeykoy elektrikci uskudar elektrikci umraniye elektrikci istanbul su tesisat tamiri sisli kombi tamiri sisli cilingirci

SEVERINO \\ 1994

SOBRE O ÁLBUM

“Severino” ficou conhecido como um dos discos mais difíceis dos Paralamas, e marcou o auge da distância entre a recepção calorosa na Argentina e a fria no Brasil. Por aqui, as músicas mal entraram na programação das rádios, as vendagens foram ainda tímidas para o status que a banda tinha conquistado, mas os shows ficaram lotados. Por lá, de cara a faixa Dos Margaritas estourou e nenhum hermano conseguiu entender onde o público brasileiro andava com a cabeça.

Herbert trouxe do primeiro disco-solo o mergulho no Brasil profundo atrás de ritmos mais rústicos. Ao mesmo tempo, o disco foi produzido na Inglaterra, com o ex-guitarrista da Roxy Music, Phil Manzanera, e teve a participação do brasileiro Chico Neves em batidas eletrônicas. Nas letras, puxou poemas de forte temática social – influência escancarada de Cabral de Mello Neto – e os misturou a baladas em português e em castelhano. Os convidados do disco foram uma boa mostra do que a banda queria amarrar no momento: o baiano Tom Zé, o fluminense Egberto Gismonti, o argentino Fito Paez, o inglês Brian May, a também inglesa Reggae Philarmonic Orchestra e o jamaicano Linton Kwesi Johnson. Entre tantas influências, estava dada mais uma guinada reforçando a personalidade da banda.

A capa merecia uma menção especial: foi a primeira da banda a explicitar a preocupação com um olhar artístico. A apropriação creditada do trabalho do artista esquizofrênico Bispo do Rosário mereceu aplausos e críticas pesadas na imprensa – o que acabou dividindo atenções com a música. A História (com agá maiúsculo) tratou de deixar claro que o som do disco tinha mesmo na obra do Bispo um perfeito espelho: ao mesmo tempo cru e sofisticado, seco, direto e abstrato.